Especial Audrey Hepburn: "Charada"


 
Suspense policial com ares de comédia e romance, "Charada" (Charade, 1963, direção de Stanley Donen) começa mostrando um homem chamado Charles Lambert sendo empurrado de um trem, no caminho entre Paris e Bourdeaux. A polícia francesa investiga o caso e descobre que, dias antes, ele havia vendido todos os móveis do rico apartamento em que morava com sua esposa, Regina Lambert (Audrey Hepburn), e estava tentando fugir para a América do Sul.

Ao voltar das férias em Megève, nos Alpes franceses, além do susto de encontrar o lar vazio, Regina é informada pelo inspetor Edouard Grandpierre (Jacques Marin) de que o seu marido estava de passagem comprada para a Venezuela, com poucos pertences a tiracolo e, curiosamente, sem quase nenhum dinheiro no bolso, mesmo tendo recebido US$ 250.000,00 pelos móveis vendidos. Além disso, ele dizia ser suíço, mas tinha passaportes de três outras nacionalidades. Um verdadeiro enigma.

Regina se dá conta, então, de que a única coisa que sabia do marido era o seu nome e que até isso poderia ser falso. As suas suspeitas se confirmam quando ela recebe uma intimação da embaixada americana para falar com um tal de Hamilton Bartholomew (Walter Matthau). Através dele, a mulher descobre que o nome real do marido era Charles Vaz e que ele era procurado pelo governo americano pelo roubo de US$ 250.000,00. O oficial também a alerta sobre três bandidos que querem colocar a mão nessa grana: Tex Panthollow (James Coburn), Herman Scobie (George Kennedy) e Leopold W. Gideon (Ned Glass).

Diante do cenário perigoso e o lar desmobiliado, Regina aceita o conselho do recém-conhecido Peter Joshua (Cary Grant) para hospedar-se num hotel. Esse homem, aparentemente confiável, também passa a protegê-la de Tex, Herman e Leopold, trio que ameaça Regina e até sequestra o pequeno Jean-Louis (Thomas Chelimsky) para fazê-la dizer onde estaria o dinheiro deixado pelo marido. Jean-Louis, por sinal, é um garotinho levado, supersimpático e filho da melhor amiga de Regina, Sylvie Gaudet (Dominique Minot).

Os dias se passam, pessoas morrem e Joshua muda de nome duas vezes. A certa altura, Regina não sabe mais em quem pode confiar ... até o momento em que os US$ 250.000,00 aparecem da forma mais inusitada e o verdadeiro vilão da história mostra a sua cara.

"Charada" é um filme interessante, com uma parceria divertida entre Hepburn, Grant e o time de atores americanos e europeus, aumentando ainda mais a graça em torno dessa história misteriosa.


Principais locações: 

Exceto pelas cenas iniciais, "Charada" foi rodado em Paris, com destaque para os seguintes lugares:

Avenue Velasquez, nº 5 (Google Maps)

O apartamento do casal Lambert

Essa locação fica no nº 5 da avenue Velasquez e é exibida tanto na cena em que Regina retorna da viagem aos alpes franceses (exterior e interior) como da delegacia de polícia (interior). Hoje em dia, nesse local, fica o Musée Cernushi, dedicado à arte asiática.

Theatre Vrai Guignolet 

Esse teatro de marionetes aparece num dos primeiros encontros entre Regina e Peter, logo no início do filme. Fundado em 1818, ele funcionou, até 2019, nos Jardins des Champs-Elysees.

Pont au Doble, Quai de Montebello

Quando saem da delegacia de polícia, depois de prestarem depoimento sobre a morte de um dos bandidos, Regina e Peter caminham pela margem esquerda do Sena, bem aos pés da Catedral de Notre Dame, seguindo em direção à Pont de l ' Archevêché. Conversa vai e conversa vem e ela, que estava tomando um sorvete, acada derrubando o doce na roupa dele (simulando uma situação real e que havia acontecido entre Audrey Hepburn e Cary Grant).

Rio Sena

Na cena acima, as filmagens foram feitas às margens do famoso rio francês. No entanto, quando a dupla vai jantar num bateau-mouche, nota-se que a cena é uma montagem e que foi rodada em estúdio.

Jardins des Champs Élysées

Antes de morrer, Charles havia marcado um compromisso nesse jardim. Procurando por pistas dos US$ 250.000,00, Regina e Peter vão ao mesmo local, onde esbarram em Tex, Sylvie e Jean-Louis. É ali onde está a peça do quebra-cabeça que falta para eles descobrirem onde está o dinheiro sumido.

Tanto no exterior dessa locação, com as colunas do edifício como pano de fundo, como no rico interior da sala do teatro, foi rodada uma cena muito tensa envolvendo Regina, Peter e Hamilton Bartholomew. Endereço: 38 Rue de Montpensier.


👀 Curiosidades

- Sr. Felix, o vendedor de selos que desvenda o mistério dos US$ 250.000,00 para Regina, foi interpretado por Paul Bonifas, ator com quem a personagem de Audrey teve um diálogo divertidíssimo em Amor na Tarde.

- Reza a lenda hollywoodiana que, para amenizar a diferença de 25 anos de idade entre Cary Grant (nascido em 1904) e Audrey Hepburn (nascida em 1929), Stanley Donen colocou a personagem dela para paquerar a dele, minimizando a preocupação do ator de parecer ridículo no papel de par romântico da atriz.


Saiba mais lendo o post Viajando com Audrey Hepburn - Paris



Comentários

CONFIRA TAMBÉM:

"Estômago", filme de primeira e locações em Curitiba

Sex and the City 2: Abu Dhabi x Marrakesh

221B Baker Street - o famoso endereço de Sherlock Holmes e Dr. Watson

Filme de viagem: "O Turista" no Hotel Danieli, em Veneza

Roma em "Comer, Rezar, Amar"

"007 - Cassino Royale" e as locações em Veneza

"O Código Da Vinci" em Paris e Londres

Verona e Siena em "Cartas para Julieta"