Stanley Kubrick: o homem, o diretor, a lenda



Para começo de história, eu sempre li e ouvi falar de Stanley Kubrick, mas nunca antes tinha assistido algum dos seus filmes. Com a exposição sobre o seu trabalho realizada pelo Museu da Imagem e do Som, em São Paulo, decidi que já era mais do que hora de desbravar o universo desse cineasta considerado tão intrigante.

Encantada por biografias, tratei logo de conhecer o criador, quem ele era antes de tornar-se um dos diretores mais famosos do mundo, do que gostava, o que o motivava a filmar esse ou aquele assunto, onde morava e como vivia. O documentário “Stanley Kubrick: Imagens de uma Vida” (Stanley Kubrick: A Life In Pictures) foi perfeito para me introduzir no universo do homem que conseguiu o mérito de ser admirado por tantos outros nomes de peso do cinema, como Martin Scorsese, Steven Spielberg e Woody Allen.

Nascido em Nova York, no dia 26 de julho de 1928, Stanley demonstrou, desde cedo, pouco interesse pelo estudo formal. Em contrapartida, adorava enfiar-se no laboratório de fotografia do pai em busca da foto perfeita. Uma delas, sobre o sentimento da nação americana durante o funeral do presidente Roosevelt, foi tão bem tirada que a revista Look a comprou. Kubrick trabalhou nessa revista por alguns anos até filmar, em 1950, o seu primeiro documentário, “Day of the Fight”. A experiência com o curta foi fundamental para o rapaz do Bronx mudar-se para o Greenwich Village e investir no mundo do cinema.

A partir de então, ele realizou filmes que, se não lhe deram fortuna, foram responsáveis por projetá-lo comercialmente: “Medo e Desejo” (Fear and Desire, 1953), “A Morte Passou Perto” (Killer´s Kiss, 1955), “O Grande Golpe” (The Killing, 1956), com Sterling Hayden (que atuou no primeiro ‘O Poderoso Chefão’) e “Glória Feita de Sangue” (Paths of Glory, 1957), um divisor de águas em sua carreira. A primeira grande produção de Kubrick foi “Spartacus”, de 1960. Ele foi chamado por Kirk Douglas para assumir a direção. Se o filme deu-lhe notoriedade, também foi responsável em abrir-lhe os olhos de que deveria ter completo controle sobre o seu trabalho, o que aconteceu em todas as suas produções seguintes.

No auge do vigor cinematográfico, Stanley Kubrick causou furor, espanto e admiração entre críticos, profissionais do cinema e o público em geral. Com títulos e gêneros de filmes tão distintos como “Lolita” (1962), “Doutor Fantástico” (Dr. Strangelove, 1964), “2001 – Uma Odisseia no Espaço” (2001 – A Space Odyssey, 1968), “Laranja Mecânica” (A Clockwork Orange, 1971), “Barry Lyndon” (1975), “O Iluminado” (The Shining, 1980) e “Nascido Para Matar” (Full Metal Jacket, 1987), o homem dividiu opiniões e foi amado e odiado ao mesmo tempo, porém, nunca ignorado. Esperar por um filme de Kubrick virou febre entre os amantes da sétima arte. “De Olhos Bem Fechados” (Eyes Wide Shut), de 1999, foi o seu último trabalho. No dia 07 de março daquele mesmo ano, o exímio enxadrista de 70 anos de idade, morreu em sua mansão, no interior da Ingaterra, lugar aonde morou por mais de quatro décadas com a sua família. Deixou esposa, Christiane Kubrick, duas filhas, uma enteada, alguns netos, uma irmã, muitos amigos e uma legião de fãs que até hoje suspiram de vontade de ver mais um grande ‘Kubrick’ na telona.

Stanley ficou na memória de quem o conheceu como um homem que podia ser controlador, megalomaníaco, obsessivo e perfeccionista, ao mesmo tempo em que era considerado amável, calmo e muito reservado. Controverso na vida e na carreira, inesquecível, um gênio! Até para mim, que estou aprendendo a conhecê-lo...

Saiba mais:
http://kubrickfilms.warnerbros.com/

Comentários

  1. Que legal, Fran. Eu vi faz muito tempo, mas vale a pena ver (rever) "O Grande Golpe", é um dos filmes inovadores que mostram uma mesma história contada sob ângulos diferentes, que depois Tarantino e outros diretores exploraram bastante. Mas o mais impressionante é como ele realizou filmes de tantos gêneros e estilos diferentes, mas conseguiu manter sempre sua marca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "O Grande Golpe" não estava na minha lista, mas acabou de entrar - rs! Obrigada pela dica.

      Excluir

Postar um comentário

Fale conosco

CONFIRA TAMBÉM:

"Estômago", filme de primeira e locações em Curitiba

Sex and the City 2: Abu Dhabi x Marrakesh

221B Baker Street - o famoso endereço de Sherlock Holmes e Dr. Watson

Filme de viagem: "O Turista" no Hotel Danieli, em Veneza

Roma em "Comer, Rezar, Amar"

"007 - Cassino Royale" e as locações em Veneza

"O Código Da Vinci" em Paris e Londres

Verona e Siena em "Cartas para Julieta"