Stanley Kubrick: "2001 - Uma Odisseia no Espaço"


Você assistiu “2001 – Uma Odisseia no Espaço” (2001- A Space Odyssey) dezena de vezes e - apesar de concordar com a grandiosidade intelectual de Stanley Kubrick - ainda não entendeu o que tudo aquilo significa? Minha dica para tentar amenizar o seu (e o meu) sofrimento: coloque para tocar “Assim falou Zaratustra”, de Richard Strauss, ou “Danúbio Azul”, de Johann Strauss, e leia, cuidadosamente, as palavras de Arthur C. Clarke, o escritor de “A sentinela”, conto que serviu de base para o filme.



“Atrás de cada pessoa viva hoje estão trinta fantasmas, pois essa é a proporção do número de mortos para o número de vivos. Desde a aurora dos tempos, cerca de cem bilhões de seres humanos viveram na Terra. Cem bilhões é o número aproximado de estrelas na nossa galáxia, a Via-Láctea. Ou seja, para cada pessoa que já viveu, pode haver uma estrela. Naturalmente, estrelas são sóis com planetas ao redor, portanto, não é interessante pensar que há terra suficiente no céu para que cada um tenha todo um mundo? Não sabemos quantos deles são habitados, nem por que criaturas, mas um dia saberemos... o impacto disso sobre a raça humana será profundo, sobretudo se encontrarmos criaturas bem mais avançadas do que nossa espécie um tanto primitiva. É uma perspectiva maravilhosa e, talvez, aterrorizante... um dia saberemos a verdade sobre este incrível e maravilhoso universo ao nosso redor e talvez entendamos o lugar que ocupamos nele.” (Arthur C. Clarke para o documentário “Stanley Kubrick – Imagens de uma vida”).



Reflita sobre o que acabou de descobrir e volte a ver o filme. Quem sabe assim fique mais claro o destino do astronauta, Dr. Dave Bowman (Keir Dullea), quando este – depois de uma 'D.R' definitiva com o supercomputador, H.A.L. 9000 – chega à Júpiter. Faz sentido, não faz? Depois dessa aventura intelectual intensa, vá se descontrair visitando a sala "Discovery" em homenagem ao filme, exposta no Museu da Imagem e do Som, em São Paulo, até 12/01/2014.


Principais Locações do filme (fonte: IMDb)

Fotos do filme: Divulgação
As filmagens externas - cenas dos macacos e outras dos astronautas na Lua e de Dave ao chegar em Júpiter - foram realizadas em Monument Valley (foto abaixo), Utah, Estados Unidos (U.S.A) e em South Harris, Western Isles, na Escócia, Reino Unido (U.K).

As cenas internas - espaçonaves e sala de espera do aeroporto espacial - foram filmadas nos estúdios britânicos Shepperton Studios (localizados em Shepperton, Surrey, Inglaterra) e no MGM British Studios (localizados em Borehamwood, Hertfordshire, Inglaterra). A foto abaixo, do MGM, data de 1966, dois anos antes de Kubrick lançar a sua obra de ficção científica que transformou a história do cinema mundial.

http://www.thestudiotour.com/mgmborehamwood/backlot.shtml

Comentários

  1. Não esquecer que as cenas filmadas com nossos ancestrais foram feitas em estúdio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E que todos os estúdios ficavam próximos da residência dele. Muito inteligente o Kubrick, viu - rs!

      Excluir
  2. Jamais foi feito algo tão perfeito.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Fale conosco

CONFIRA TAMBÉM:

"Estômago", filme de primeira e locações em Curitiba

Sex and the City 2: Abu Dhabi x Marrakesh

221B Baker Street - o famoso endereço de Sherlock Holmes e Dr. Watson

Filme de viagem: "O Turista" no Hotel Danieli, em Veneza

Roma em "Comer, Rezar, Amar"

"007 - Cassino Royale" e as locações em Veneza

"O Código Da Vinci" em Paris e Londres

Verona e Siena em "Cartas para Julieta"