Um mês dedicado a Ernest HEMINGWAY




Julho é um mês importante na história de Ernest Hemingway, o ‘papa’ da literatura americana. Hoje, dia 02, completam-se 51 anos da sua morte. E, no próximo dia 21, serão 113 anos desde o seu nascimento. Fã de sua obra e do estilo de sua escrita, dedicarei este espaço, durante este mês, para viajarmos ao redor do mundo através das suas histórias, imortalizadas em contos e romances.

Antes do delicioso assunto 'as viagens, estilo de vida & romances de Hemingway', montei uma cronologia com os principais fatos da biografia deste que foi, antes de escritor, um homem de opiniões firmes e de emoções fortes e conflitantes.








Vamos aos fatos:

1899: nasce Ernest Miller Hemingway, no dia 21 de julho, em Oak Park, Illinois, Estados Unidos. Com o seu pai, um médico da zona rural, ele visitou a região de Walloon Lake e aprendeu a arte da pescaria com os nativos daquela região. Sua mãe, por sua vez, tentou incutir-lhe o amor à música e planejava uma carreira de violoncelista para o filho.

1916: alista-se naquela que ficou conhecida como “A Grande Guerra”, contra a vontade da família. Sua missão no front italiano era dirigir uma ambulância, recolhendo e transportando feridos. Um dia, em 1918, ele foi atingido e, por conta dos ferimentos, precisou ficar hospitalizado por três meses. A partir de então, a sua visão sonhadora, aventureira e inconsequente do mundo havia sido alterada. Retornando ao EUA, ele passa a integrar o time de colaboradores do Toronto Star (com uma breve passagem pelo Chicago Tribune).


1921: casa-se com Elizabeth Hadley Richardson, em setembro; e, em dezembro, a serviço do Toronto Star, muda-se com ela para Paris. Hadley e a capital francesa foram imortalizadas pelo escritor em seu grande sucesso autobiográfico, “Paris é uma festa”.  Na cidade-luz, Hemingway trava amizade com Gertrude Stein, Scott Fitzgerald, Ezra Pound e muitos outros nomes que integrariam aquela que ficou conhecida como “A Geração Perdida”.


1924: publica o seu primeiro livro, um conjunto de contos, sob o título de “Nosso tempo”, com histórias sobre caçadas, horrores da guerra, hipocrisia da classe média e as touradas.


1926: ainda  morando em Paris, publica “O Sol também se levanta”, o seu primeiro romance, que torna-se um grande sucesso e o projeta comercialmente. 



1928: vai morar em Key West, na Flórida, onde vive por nove anos e escreve boa parte da sua obra. Na casa em que viveu, funciona o “Ernest Hemingway Home & Museum”.



1929: publica o segundo romance, “Adeus às armas”, considerado por muitos como a sua obra-prima.


1932: lançamento de “Morte na tarde”, um livro sobre touradas, ambientado na Espanha.


1935: são publicados “As verdes colinas da África” e uma série de contos, dos quais fazem parte “As neves do Kilimanjaro” e "Cinquenta mil", este, sobre o universo do boxe.

1937: ambientado em Key West, Hemingway tem publicado o seu livro “Ter e não ter".

1940: para homenagear os amigos vencidos na guerra civil espanhola, ele lança “Por quem os sinos dobram”, livro considerado o seu maior sucesso comercial.

1950: após uma década de silêncio, Hemingway lança “Do outro lado do rio entre as árvores”, livro iniciado numa viagem que ele fazia pela Itália.

1952: produz, em Cuba, aquele que é considerado o romance mais maduro, e também, mais popular, de sua carreira literária: “O velho e o mar”.


1953: é agraciado com o Prêmio Pulitzer pelo romance “O velho e o mar”, tido como uma obra-prima da prosa moderna.


1954: “O velho e o mar” contribui, significativamente, para que Hemingway receba o Prêmio Nobel da Literatura.

1959: retoma o tema das touradas em “O verão perigoso”.


1960: termina de escrever o livro que recorda a capital da geração perdida dos anos de 21 a 26, “Paris é uma festa”. O livro, publicado somente em 1964, coloca a Margem Esquerda do Sena no roteiro de viagem de todos os intelectuais do planeta.

1961: prestes a completar 62 anos de idade, Hemingway dispara um fuzil de caça contra si mesmo, em Ketchum, Idaho, EUA, deixando o mundo da literatura em luto.


Hemingway viveu de acordo com o mito que criara para si: o de caçador, amante do boxe e das touradas, pescador, beberrão e mulherengo. Ele casou-se quatro vezes: além de Hardley, Pauline Pfeiffer, Martha Gelhorn e Mary Welsh tornaram-se, respectivamente, suas segunda, terceira e quarta esposas. Foi Mary quem editou postumamente, em 1970, o último livro escrito por Hemingway, “Ilhas da Corrente”.



Nas próximas postagens, conheceremos mais sobre a vida de Hemingway e das viagens feitas pela América, Europa e África, seja por lugares onde ele viveu ou frequentou, como pelos descritos em seus livros “O sol também se levanta”, “Adeus às armas”, “Por quem os sinos dobram”, “O velho e o mar” e, encerrando o ciclo de postagens em homenagem ao ‘papa’, escreverei um especial sobre “Paris é uma festa”, que foi o primeiro dos seus livros que eu tive o prazer de ler.



Comentários

  1. Bárbaro Fran,aguardo ansiosa os próximos posts.
    Beijo
    Suely

    ResponderExcluir
  2. Oi Sueli, obrigada pelo incentivo. Vc não tem ideia como eu adoro este escritor e falar sobre ele será um exercício prazeroso de pesquisa e escrita. Bjs, Fran

    ResponderExcluir
  3. Oi Fran, o que dizer de alguém que viveu tão intensa e apaixonadamente sua vida... Apenas que é maravilhoso poder se deleitar de suas obras e sentir um pouco do que Hemingway sentiu e viveu.

    Parabéns pela matéria... além de muito bom gosto na escolha... está impecavelmente bem produzida.

    Excelente!!!

    Bjs.
    Marcos Almeida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcos, obrigada pelo carinho. Seu comentário e elogio fazem com que eu deseje caprichar mais ainda no nível das postagens :-). Ah, adorei ver que você está seguindo o blog. Bjs, Fran

      Excluir
  4. Muito bem! Sucinto, porém preciso! Vou continuar seguindo este blog.

    ResponderExcluir
  5. Fiquei com vontade de ler "O velho e o mar" e "Por quem os sinos dobram". Estão devidamente incluídos em minha lista. Aguardarei os próximos posts Fran, tenho certeza que serão tão bons quanto este! Olha a reponsabilidade..rs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Márcio, que bom encontrar você aqui, hoje. Vou caprichar no próximo, que será sobre "O sol também se levanta". Um livro fora de série! Bjs. Fran

      Excluir
  6. Fran, realmente é de dar água na boca este post, lembrei-me muito do filme do Woody Allen, "Meia noite em Paris", promento ainda este ano reiniciar a leitura de "Paris é uma festa", estou com a escrivaninha cheia kkkk

    ResponderExcluir
  7. Celo, vou torcer muito para que vc leia 'París é uma festa' o mais breve possível. A leitura é deliciosa. Se depois você assistir "Meia noite em Paris", ficará perfeito!!! Abçs.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Fale conosco

CONFIRA TAMBÉM:

"Estômago", filme de primeira e locações em Curitiba

Sex and the City 2: Abu Dhabi x Marrakesh

221B Baker Street - o famoso endereço de Sherlock Holmes e Dr. Watson

Filme de viagem: "O Turista" no Hotel Danieli, em Veneza

Roma em "Comer, Rezar, Amar"

"007 - Cassino Royale" e as locações em Veneza

"O Código Da Vinci" em Paris e Londres

Verona e Siena em "Cartas para Julieta"